Faça chuva, ou faça sol

28 novembro 2017

Novidade desenvolvida pela trouw nutrition, dry technology mantém características dos suplementos minerais mesmo após molhados

JOÃO PAULO MONTEIRO, DE RIBEIRÃO PRETO (SP)
joao@ciasullieditores.com.br

Fundamental para a vida no planeta, a água da chuva tem papel crucial no abastecimento de mananciais e, além disso, propicia atividades essenciais para a vida humana, como a agricultura.

De suma importância, contudo, a chuva pode, em certos casos, representar problema para as propriedades rurais. No ambiente da pecuária, os suplementos minerais fornecidos em cochos, dependendo da estrutura, podem ser vulneráveis à ação da chuva. Deste modo, se molhados, absorvem água e tendem a empedrar, o que dificulta o consumo por parte dos animais e também gera um desbalanceamento dos nutrientes.

Pensando em uma solução para esse recorrente problema nos campos brasileiros, a Trouw Nutrition (Campinas/SP) apresenta ao mercado a Dry Technology. “Uma inovação que veio para manter o suplemento farelado, com os minerais intactos e equilibrados dentro do produto”, inicia a zootecnista Josiane Lage, supervisora de P&D Bovinos de Corte da companhia.

A novidade evita que a água da chuva, quando em contato com os produtos, dissolva ou lixivie os minerais presentes, mantendo os insumos farelados e, portanto, mais homogêneos, detalha: “Dessa forma, não há prejuízo ao consumo pelos animais”, destaca Josiane. Ela completa: “Esses fatores são determinantes para o bom desempenho de ruminantes e para a consequente rentabilidade dos pecuaristas”.

Além da garantia do ganho de peso na pecuária de corte, a fertilidade é outro ponto a se observar, destaca a profissional, pois a tecnologia também é aplicada nos produtos para vacas. “As exigências de minerais para bovinos mudam de acordo com as várias fases do ciclo de produção. Portanto, é importante estar atento ao balanceamento dos suplementos minerais para alimentação de bovinos de corte durante todo o ano”, argumenta a especialista.

O PROCESSO

Com intenso trabalho nos últimos três anos, a tecnologia foi totalmente desenvolvida no País, contando, ainda, com parceria com universidades para validação do produto. “Todos os testes foram conduzidos na planta industrial e no nosso laboratório. E, quando finalizamos o produto e acreditamos que seria viável para o animal, realizamos experimentos em parceria com o professor Ricardo Reis, na Unesp de Jaboticabal, para avaliação de consumo por parte dos animais”. 

Ainda, cinco clientes selecionados receberam o produto desde o início deste ano, em regiões de alta umidade e com chuvas regulares, para avaliação a campo da novidade. 

“Foram fazendas do Pará até o Sul do País. E o resultado encontrado é que os números de consumo dos animais permaneceram normais”.

Portanto, dependendo de sua infraestrutura, o produtor pode optar ou não pela incorporação da tecnologia em seu suplemento, o qual agrega cerca de 10% no valor total do produto.

Entretanto, mesmo contando com boa estrutura, muitas vezes apenas a umidade pode causar problemas. Sendo assim, Josiane conclui: “Os suplementos minerais representam parte significativa dos custos de uma fazenda. Portanto, o uso de tecnologias que evitem perdas, mineralizando o rebanho de forma adequada, é fundamental para o aumento da produtividade e rentabilidade do sistema”.

Veja a matéria completa na Feed and Food

Veja o Informativo da Tecnologia DRY